segunda-feira, agosto 31, 2009

EUA, Islândia e agora Japão

Três dos países que mais sofreram com a crise já fizeram a sua "limpeza" política nas urnas, penalizando os verdadeiros responsáveis ideológicos. Além disso, estes resultados eleitorais foram históricos cada um à sua maneira, da carga simbólica da eleição de Obama, passando pela estrondosa mudança do espectro político da Islândia até ao fim de 54 anos de governo conservador no Japão. Enquanto três dos países mais desenvolvidos do mundo perceberam que é urgente mudar de modelo económico, por cá o PSD de Ferreira Leite continua a sua fuga para a frente ideológica, um PSD que nega a existência da crise e se manifesta contra a perseguição dos ricos. É este obscurantismo político que nos espera caso o PSD vença.

quinta-feira, agosto 27, 2009

Energias renováveis no Socialismo 2009

Estarei no Socialismo 2009 este fim-de-semana para falar de energias renováveis, sobre o seu potencial e as suas limitações. Quem se interessar pelo assunto é bem-vindo, mesmo que seja para discordar.

Outras cidades

Por estes dias em que o frenesim das eleições autárquicas faz renascer o debate sobre as cidades, republico este belíssimo texto do caríssimo Mário Alves, especialista em transportes.


Fotografia do sítio Amsterdam Bicycles.

Este conjunto de imagens e comentários convidam à reflexão. Recentemente tive a oportunidade de debater em público a questão da obrigatoriedade dos capacetes para ciclistas. Sempre a mesma ratoeira. Ao olhar para estas fotografias, parece-me óbvio que temos sempre duas hipóteses para aumentar a segurança dos mais vulneráveis: a) colocar a responsabilidade de protecção nos mais fracos, obrigando-os a usar capacetes ou negando-lhes a possibilidade de usar em plenitude as ruas que lhes deviam pertencer; b) reduzindo o número e a velocidade dos automóveis. O primeiro tipo de intenções, apesar de na maior parte das vezes bem intencionadas, continuará a espiral absurda de olhar para o problema pelo paradigma estafado que nos fez chegar até aqui. O segundo caminho, mais difícil, implica visão, participação, concertação, liderança.

Um pouco de história: em Março de 1992 foi realizado um referendo, o primeiro em Amesterdão, sobre a necessidade de restrições ao automóvel. Apesar do elevado nível de abstenção, 53% dos votantes escolheu o cenário que incluía uma drástica redução dos automóveis no centro da cidade. Depois de alguma hesitação, devido ao nível de abstenção, a câmara de representantes decidiu avançar com um polémico plano para reduzir 35% das viagens de automóvel no centro. O controlo do estacionamento foi o instrumento principal escolhido. Passado anos de restrição aos pendulares - já nos anos 90 era praticamente impossível um trabalhador encontrar estacionamento de longa duração no centro - a politica de restrição de estacionamento tentou encontrar um balanço entre o estacionamento de curta duração (considerado essencial aos serviços e comércios da cidade) e o estacionamento reservado a residentes. Depois de muita consulta e participação pública, onde a população estava muito dividida, os planos avançaram. Entre as medidas mais dolorosas, a redução de 3,000 lugares de estacionamento, num momento em que muitos clamavam por mais lugares. Nas áreas mais comerciais os lugares para residentes foram reduzidos. Neste momento, pode levar mais de 5 anos a fila de espera para ter um cartão de residente para estacionar - um cartão por fogo obviamente. Contrariamente ao que se afirmava na altura, Amesterdão continua a ter as rendas e o preço por metro quadrado mais altos da Holanda - tanto para espaço residencial, serviços ou comércio. De facto o problema é o oposto: como evitar a gentrificação do centro, apesar de existir uma politica de rendas controladas que, apesar dos seus problemas, consegue manter pessoas de baixos rendimentos no centro.

Parte desta história foi contada há mais de dez anos em Lemmers, L., 1995, ' *How Amsterdam plans to reduce car traffic*', World Transport Policy and Practice', 1 (1), pp25-28. Leo Lemmers finda o seu artigo da seguinte forma:

"To see the real effect [da politica de restrição ao estacionamento], some patience will be required. It will certainly take another ten years to see whether Amsterdam really has set an example for the rest of Europe."

Talvez agora valha a pena voltar a ver as fotografias e procurar os capacetes, as ciclovias e os lugares de estacionamento.

Mário Alves (Mestre em Transportes pelo Imperial College London e consultor de transportes e gestão da mobilidade)

terça-feira, agosto 25, 2009

Dos blogues da treta aos blogues da treta II

Este texto do João Sousa André retrata muito bem os blogues encomendados pelo PSD, PS e CDS (Jamais, SIMplex e Rua Direita, respectivamente) para as eleições que se avizinham. Destaco:

"Eu olho para aquilo e vejo 39 pessoas no SIMplex, 27 no Jamais e 34 no Rua Direita. Um redondo total de 100 pessoas (cem!!) a postar todos os dias, alguns deles até de forma bem prolífica"

"Nisto tudo o que se apanha? Ruído, nada mais. Ninguém tem verdadeira paciência para ler tudo o que estas almas publicam a não ser os próprios. Ninguém que tenha empregos, filhos, de limpar a casa, companheiros, etc e tal poderá ter sequer tempo para o fazer. Não há um verdadeiro eleitor que vá ler isto. Não há um político que o faça. Talvez os assessores, para colherem dados ou argumentações a dar aos políticos, mas é tudo."

segunda-feira, agosto 24, 2009

Praça Velha, Praça Nova e Jardim

A Praça Velha, a Praça Nova e o Jardim são o que resta de três bolsas que o rio Mondego formava na sua margem direita junto à foz. Foram sendo construídas casas à volta destas bolsas e quando estas foram finalmente aterradas transformaram-se em praças, mais ou menos com a mesma configuração que conhecemos hoje. Ao lado, mapas do arquivo municipal da Figueira da Foz mostram a existência das referidas bolsas até finais do século XVIII (clicar nas imagens para ampliar).
Só quando o turismo balnear se começou a desenvolver é que a cidade se aproximou da praia, tendo sido construído posteriormente o Bairro Novo, já a regra e esquadro, a pensar nas necessidades dos banhistas.
(Obrigado R.)

Os critérios de Ferreira Leite

Ouvi bem os critérios de Ferreira Leite sobre político arguidos. Curiosamente se aplicássemos esses critérios a Duarte Silva, candidato pelo PSD à câmara da Figueira da Foz, este seria colocado no mesmo saco que Isaltino, ou seja entre os políticos que Ferreira Leite designou como envolvidos em crimes directamente ligados ao exercício das suas funções políticas. Porque espera para agir? Ou será que quer agir?

sexta-feira, agosto 21, 2009

Dos blogues da treta aos blogues da treta

Há 4 anos atrás apareceram os blogues "pessoais" dos candidatos dos maiores partidos, onde a maior parte dos textos eram escritos por "escravos" mal habituados às lides da net e a coisa não correu lá muito bem. Para estas eleições sacaram da artilharia pesada e surgiram o Simplex e o Jamais, que são uma espécie de blogues oficiais dos partidos mas formatados para o gosto bloguista. É como se desenhassem burkas fashion para o gosto dos clientes Dior ou como se a Trabant fabricasse modelos desportivos para clientes da Aston Martin.
Na coluna ali ao lado vêem alguma ligação para o Simplex ou para o Jamais? Eu também não.

quinta-feira, agosto 20, 2009

quarta-feira, agosto 19, 2009

Novo romance de Frédéric Beigbeder

Foi lançado ontem em França o novo romance de Frédéric Beigbeder: "Un roman français", edição Grasset.

Começa a haver vergonha na cara

É verdade que estamos a menos de dois meses de eleições, mas mais vale tarde do que nunca. O vereador José Elísio disse aquilo que a esmagadora maioria dos figueirenses pensa do executivo de Duarte Silva (fonte Notícias do Centro):

"Tem vindo no seu mandato a sucumbir a pressões e a tomar atitudes contraditórias que me levam e a outros a questionar porquê (...) Prefere os subservientes aos que tratam consigo com lealdade ou frontalidade. Tem preferido confiar em quem é arguido e até já condenado e titular de cursos que, no mínimo, suscitam dúvidas".

terça-feira, agosto 18, 2009

Os horários da CP

O primeiro comboio do dia chega à capital apenas às 8:20. No aeroporto as partidas começam às 7 da manhã (o check in faz-se uma hora antes). No resto da Europa qualquer capital começa a fervilhar de transportes públicos provenientes do resto do país a partir das 5 da manhã. Um dia, um investigador alemão indignado com os nossos horários perguntou-me "como faz um empresário para chegar a tempo a uma reunião a Lisboa?". Isto é muito culpa da apatia dos municípios da região centro e do norte. Há uma falta de sensibilidade tremenda para perceber que os transportes públicos são um factor essencial de desenvolvimento. A maior parte nossos autarcas continuam deslumbrados com os estofos de viaturas de alta cilindrada, nem sequer se apercebem do ridículo, do terceiro-mundismo que representa essa atitude.

quarta-feira, agosto 12, 2009

L'amore ritrovato

"L'Amore Ritrovato" de Carlo Mazzacurati é uma história de infidelidade masculina clássica dos anos 30 em Itália. Giovanni reencontra Maria, uma paixão dos seus tempos de juventude. Esse encontro, quase idílico, parece prenunciar uma relação perfeita, mas cedo a revelação de que Giovanni é casado faz desabar as esperanças de Maria. Neste quadro clássico a obra de Mazzacurati destaca-se pela intensidade, pela intensidade do prazer, pela intensidade da esperança, pela intensidade da ingenuidade e pela intensidade da desilusão. Giovanni insiste na relação, ignorando tudo o resto por alguns meses. No entanto, a II Guerra Mundial aproxima-se a passos largos e a relação entre Maria e Giovanni parece seguir o rumo dramático da conjuntura internacional...
Muito boas interpretações de Stefano Acorsi e Maya Sansa.

quinta-feira, agosto 06, 2009

Desafio a Manuela Ferreira Leite

Desafio Manuela Ferreira Leite a deslocar-se à Figueira da Foz para apoiar o candidato do PSD, Duarte Silva, arguido no processo do vale do Galante, um processo que envolve mais-valias astronómicas para privados após a modificação do PDM da Figueira. Depois do caso Passos Coelho acho que Manuela Ferreira deveria assumir com a mesma convicção as suas escolhas para as eleições autárquicas, ficaria tudo muito mais claro.

quarta-feira, agosto 05, 2009

Observar o céu sem telescópio é uma indiscrição*

(Artigo publicado no Diário de Notícias)

Até ao início do séc. XVII, quando Galileu realizou as primeiras observações do sistema solar graças a uma luneta, o conhecimento do universo dependia exclusivamente da observação do céu a olho nu. Depois da luneta de Galileu surgiu o telescópio que foi evoluindo até ao séc. XX, altura em que apareceram novos instrumentos de observação, telescópios capazes de observar o universo em todo o espectro electromagnético, inclusivamente em comprimentos de onda invisíveis aos nossos olhos.

A atmosfera terrestre absorve parte dos infravermelhos e absorve totalmente raios X e raios gama. Por isso, na segunda metade do século passado, o homem iniciou o envio de telescópios para o espaço com intuito de observar o Universo nestes comprimentos de onda, como o XMM (raios X) ou o INTEGRAL (raios gama) da ESA. Também foram concebidos telescópios espaciais para luz visível, como o telescópio Hubble, tirando partido da vantagem de as observações no espaço não serem afectadas pelas distorções geradas pela agitação atmosférica.

"Gasta-se tanto dinheiro na astronomia com que benefício para o contribuinte?" Este é um tipo de questão frequente que o cidadão comum ou os responsáveis políticos colocam aos astrónomos. Justamente, um dos domínios da astronomia com maior retorno e impacto na sociedade tem sido o desenvolvimento de instrumentação: telescópios terrestres e espaciais, antenas, sensores, dispositivos eléctricos e mecânicos, robôs, etc. Recentemente, a NASA criou um sítio na internet (http://www.nasa.gov/city/) onde são ilustradas as principais tecnologias empregadas no quotidiano com origem na investigação em instrumentação. Dessa investigação surgiram sistemas para evitar colisões aéreas, painéis de controlo digitais, ecrãs plasma, capacetes de ciclismo, sensores de ritmo cardíaco, sistemas de detecção remota de incêndios, fatos anti--incêndio para bombeiros, sistema de neutralização de minas terrestres sem detonação, próteses para articulações, liofilização de alimentos, electrodomésticos sem fios, fatos de competição para natação, máquinas fotográficas digitais, etc.

Em 2009 celebra-se o Ano Internacional da Astronomia cujo principal objectivo é divulgar a astronomia em todo o planeta. Em Portugal decorrem várias iniciativas desde o início do ano. A iniciativa "E agora eu sou Galileu" destina-se a recriar as principais observações realizadas por Galileu há cerca de 400 anos, destacando a importância dos instrumentos para astronomia e para o conhecimento do universo. Reproduzindo as principais descobertas de Galileu, o participante poderá observar: as fases de Vénus, os satélites de Júpiter, Saturno, as crateras da Lua, manchas solares e a Via Láctea. Seja Galileu por um dia e participe!

* Victor Hugo em "Oceano"

terça-feira, agosto 04, 2009

À atenção do executivo figueirense

Apesar da fuga para a frente de Isaltino, interpondo recurso, ser-lhe-á muito difícil anular os factos comprovados, terá que pedir auxílio ao David Copperfield ou ao Luís de Matos para fazer desaparecer o cheque de 20 mil euros. Mesmo que Isaltino consiga reduzir pena, muito dificilmente escapará à prisão efectiva. Aconselho seriamente o executivo figueirense a contratar um mágico para o ajudar no caso do Galante, será bem mais útil do que um advogado...

segunda-feira, agosto 03, 2009

Metano, o novo perigo para o aquecimento global

(Publicado no portal Esquerda.net)

A progressiva diminuição dos gelos polares ocasionada pelo aquecimento global revelou um novo perigo que poderá reforçar o efeito de estufa: o metano. O metano é um gás cuja capacidade para reter o calor do Sol é 25 vezes superior ao CO2. No fundo dos lagos gelados do Árctico estão acumuladas cerca de 50 mil milhões de toneladas de metano - 10 vezes mais do que o metano concentrado na atmosfera que contribui actualmente para o efeito de estufa. À medida que esses lagos foram perdendo as suas coberturas de gelo, os restos de animais e plantas existentes no fundo descongelaram e foram processados por bactérias produzindo-se deste modo quantidades consideráveis de metano.

Nalgumas regiões esse metano já foi produzido noutras eras e encontra-se logo abaixo da camada de gelo superficial. Basta furar o gelo para haver libertação de metano. Foi assim, ao furar a cobertura de gelo de um pequeno lago siberiano, que a investigadora Katey Walter descobriu uma impressionante libertação de gás. Katey acendeu um fósforo em frente ao furo acendendo-se uma chama semelhante à produzida por um gigantesco bico fogão. Graças ao trabalho continuado desta investigadora durante os últimos sete anos, sabemos hoje que esse metano está a ser libertado para a atmosfera a uma taxa crescente de ano para ano. Mesmo em pequenas quantidades esse metano tem um alto poder para agravar o efeito de estufa, contribuindo para o aquecimento global e acelerando o degelo desses lagos, aumentando assim a quantidade de metano libertada para a atmosfera. Esta espiral de emissão de metano funciona em regime de realimentação positiva, acelerando à medida que o tempo passa.

A concentração de metano na atmosfera é hoje cerca de 1700 ppm (partes por milhão) o que corresponde a mais do dobro da concentração no inicio da era industrial (cerca de 800 ppm). No entanto, a concentração de metano medida na atmosfera teve um crescimento ainda mais rápido entre 2006 e 2008 do que nos anos anteriores, correspondendo ao considerável degelo registado no Árctico na ultima década.
Estas medidas mostram que a perigosa espiral de emissão de metano parece já estar em franca progressão. Mais um motivo para agirmos rapidamente contra o aquecimento global. Se cruzarmos os braços corremos o risco de a libertação de metano e o aquecimento global tomarem proporções incontroláveis.