segunda-feira, outubro 24, 2011

Renováveis mais baratas na factura

(publicado no portal Esquerda.net)

Um estudo da consultora Rolland Berger para a Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN) revelou que o peso das energias renováveis é muito menor do que tem sido indicado nas contas oficiais do sector energético. Em vez de 5,5 €, o peso real das renováveis na factura mensal é apenas de 1,9 €.

Neste estudo foram corrigidos cálculos anteriores onde não entravam custos associados à produção de energia através de combustíveis fósseis e onde não eram considerados benefícios associados às energias renováveis. As renováveis evitaram custos anuais de 407 milhões de euros relacionados com a importação de combustíveis fósseis, como gás natural e carvão, e das licenças de produção de CO2. Nos cálculos apresentados neste estudo foram contabilizados os custos das rendas de terrenos das centrais e o sobrecusto relativo aos contratos de aquisição de energia já celebrados e que fixam uma remuneração garantida às centrais que utilizam combustíveis fósseis. Foi ainda descontado o pagamento obrigatório de rendas das centrais eólicas aos municípios (que nenhuma outra forma de produção de eletricidade paga), o efeito da existência de electricidade renovável que gera uma descida do preço do mercado, as perdas evitadas na rede de transporte (às renováveis estão associadas distâncias mais curtas) e as contrapartidas pagas ao Estado dos concursos de atribuição de potência.

Os dados da APREN apontam para um contributo das energias renováveis de 4.120 milhões de euros para o PIB nacional e a geração de mais de 60 mil empregos em 2015.

quinta-feira, outubro 20, 2011

Há lata para dizer tudo

"O Estado a gerir bancos é um desastre", Ricardo Salgado a 19/10/2011.

As subprimes dos bancos privados enterraram a economia mundial, mas de seguida foram salvos pelos estados, ou seja pelos contribuintes. Em Portugal tivemos o BPN, o BPP e uma dívida privada de 220% do PIB em grande medida da responsabilidade dos nossos bancos privados. Mas não há pudor na voz dos banqueiros responsáveis por este estado de coisas.

segunda-feira, outubro 17, 2011

Oremus senhor

O tokaj (lê-se tocai) Oremus Szamorodni 2007 é um vindimas tardias de terras magiares que tem o poder de converter um ateu às virtudes do céu durante o minuto que vai da ingestão de um aveludado gole até ao momento em que a untuosidade do néctar permite a sua precipitação no esófago, momento em que se liberta um perfumado aroma em sentido ascendente até à cavidade nasal.
A relação preço/qualidade cumpre as metas do FMI, instituição que governa (também) a Hungria desde 2008.

Manif de 15 de Outubro, Bolsa de Bruxelas

Este sábado foi assim em frente ao edifício da Bolsa de Bruxelas (clicar na imagem). Atrás de mim, uma multidão a perder de vista no emaranhado de ruas do centro (entre 6 mil e 10 mil segundo a imprensa local).

sexta-feira, outubro 14, 2011

Uns e outros

O esforço que está a ser pedido aos trabalhadores e pensionistas não tem paralelo no sector financeiro e nos sectores onde a fuga ao fisco representa uma parte de leão. O talão ou a factura passaram a ser de entrega imediata e obrigatória? Não. A isenção de taxas e impostos no sector bolsista e financeiro foi corrigida? Não. Vai ter que ser a Rua a impor algum moralismo nisto tudo...

O cartoon da semana



(por John Darkow)

quinta-feira, outubro 13, 2011

Ocupar a City

(publicado no Esquerda Republicana)

A City londrina, o maior sorvedouro de dinheiro da Europa para actividades económicas puramente especulativas que não produzem bens ou serviços que melhorem o bem-estar dos cidadãos, será ocupada a partir de sábado (ver página Occupy the London Stock Exchange). É sobretudo ali que a Europa em peso deveria rejeitar uma sociedade submetida ao arbítrio das oligarquias financeiras (respondendo ao Rui Tavares). Os protestos nacionais deveriam concentrar-se em frente às principais bolsas: Frankfurt, Paris, Atenas, Lisboa, etc.

quarta-feira, outubro 12, 2011

Grande homilia de Žižek em Nova Iorque

Žižek no seu melhor, a dois passos de Wall Street. Um discurso fabuloso, inteligente, humorado (não resistiu a introduzir lá no meio a teoria do café com adoçante), abrangente, virado para o dia de amanhã e não para o momento e cheio de tiques. O auditório deu-lhe aquele delicioso tom de homilia. Não resisto a partilhar esta passagem:

"We are only witnessing how the system is destroying itself. We all know the classic scenes from cartoons. The cart reaches a precipice. But it goes on walking. Ignoring the fact that there is nothing beneath. Only when it looks down and notices it, it falls down. This is what we are doing here. We are telling the guys there on Wall Street – Hey, look down!"
Occupy Wall Street




Três bons blogues figueirenses

Três interessantes blogues figueirenses que não estavam na minha lista:

O Sítio dos Desenhos
Aldeia Olímpica
Aliás

Vou concordar mais com uns do que com outros, mas o que por ali se lê é bem fundamentado, bem escrito (pouco ponto de exclamação), os autores não lêem apenas blogues, lêem livros e parecem bem imunizados contra populismos, tabloides, sensacionalismos televisionados e dor-de-cotovelite.

Protestar no sítio certo

Depois de variados movimentos de descontentamento espalhados pelo planeta terem disparado em quase todas as direcções, eis que a pontaria se afina. Os protestos contra a crise não poderiam escolher melhor lugar do que Wall Steet.
Exceptuando o caso da Islândia onde o eleitorado castigou directamente as políticas que levaram o país à falência, nos restantes países da Europa as eleições tenderam mais a castigar o partido do governo, (indiscriminadamente esquerdas e direitas) quando eclodiu a crise, do que propriamente castigar as políticas que geraram esta crise mundial. Estes protestos em Wall Street são muito certeiros, denunciam as políticas que conduziram a sociedade a submeter-se por completo aos devaneios dos mercados financeiros. Os eleitores do mundo inteiro deveriam observar o mesmo e castigar os partidos que defendem estas políticas em vez de castigar apenas o boneco que dirige nesse momento o respectivo país. Basta ler os programas eleitorais, não é difícil.

Já agora estes protestos na Europa deveriam estender-se a um protesto em massa junto ao maior sorvedouro de riqueza da Europa, a City em Londres, e porque não em frente à bolsa de Lisboa.

segunda-feira, outubro 10, 2011

Pergunta do BE sobre cortes no Hospital da Figueira

Assunto: Cortes no Hospital Distrital da Figueira da Foz

Destinatário: Ministério da Saúde

Exma. Senhora Presidente da Assembleia da República
A Administração do Hospital Distrital da Figueira da Foz (HDFF) enviou aos Ministros da Saúde e das Finanças propostas de cortes nos custos operacionais, na ordem dos cinco milhões de euros/ano. Que incluem: a possibilidade de encerramento do hospital de dia oncológico; a suspensão da actividade da viatura médica de emergência e reanimação (VMER); o encerramento do bloco operatório no período nocturno; a redução da equipa médica de urgência durante a noite, a redução de pessoal na triagem da urgência pediátrica e ainda a redução de enfermeiros no bloco operatório.
Todas estas medidas foram propostas à tutela sem qualquer diálogo com os directores de serviço do HDFF, o que levou já a quase totalidade a colocar o ser lugar à disposição.
Propostas que deveriam ser precedidas de cuidada análise e discussão interna com os representantes dos profissionais de saúde, com vista a minorar o impacto sobre a actividade assistencial, resumiram-se a mais cortes cegos, decididos administrativamente.
Os cortes decretados pelo Ministério da Saúde nos orçamentos dos hospitais para 2011 e 2012 são de uma ordem tão elevada, que só com o envolvimento de todos os profissionais, será possível minorar o impacto sobre a actividade assistencial e alcançar quaisquer objectivos com que as administrações se comprometam.
Atendendo ao exposto, e ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, o Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda vem por este meio dirigir ao Governo, através do Ministério da Saúde, as seguintes perguntas:
1. Que propostas foram apresentadas ao Ministério da Saúde pela Administração do HDFF, com vista à redução dos custos operacionais daquele Hospital em 2011 e 2012?
2. Qual o impacto dessas propostas nos custos operacionais do HDFF?
3. Qual a posição do Ministério da Saúde relativamente às propostas apresentadas, tendo em consideração que tem vindo a afirmar não pretender pôr em causa a qualidade dos cuidados de saúde prestados?
4. Legitima o Ministério da Saúde a actuação da Administração, ao decidir unilateralmente as propostas a apresentar, sem consultar os representantes dos profissionais de saúde, incluindo os directores de serviço?

Palácio de São Bento, 6 de Outubro de 2011.

João Semedo

domingo, outubro 09, 2011

Uma semana que demonstra a importância da ciência

(Publicado no portal Esquerda.net)



Desde há cerca de uma semana a ciência tem estado presente nas notícias pelos melhores motivos.Em primeiro lugar a experiência que mediu o tempo de voo dos neutrinos ao longo dos 730,5 km que separam o CERN do Laboratório do Gran Sasso em Aquila, Itália, abriu novas perspectivas à física fundamental ao revelar que os neutrinos viajam mais rápido do que a luz. A confirmar-se o resultado, as leis que regem o Universo deverão ser ajustadas e novas tecnologias poderão emergir a partir desta importantíssima descoberta. Na passada terça-feira, o Nobel da Física premiou a descoberta da expansão acelerada do Universo através da observação de supernovas longínquas. Desta vez o júri do Nobel não premiou uma descoberta com aplicações práticas, premiou um contributo relevante para conhecermos melhor este estranho lugar onde se desenrolam as nossas existências: o Universo. No dia seguinte foi inaugurada a Gemasolar, a maior central comercial de produção de energia solar que utiliza uma impressionante técnica em que os raios solares reflectidos por 2650 espelhos convergem numa torre com um núcleo salino. O sal a altas temperaturas serve para gerar vapor de água que por sua vez faz funcionar turbinas para produção de electricidade. Durante a noite o sal mantém-se quente e continua a produzir electricidade enquanto não volta a luz do Sol. Com uma potência de cerca de 20 MW, a Gemasolar apresenta uma capacidade de produção de energia equivalente a uma pequena central térmica.

Esta semana relembra-nos a importância da ciência para conhecermos melhor a evolução do Universo, as leis que o regem e a aplicação que essas leis poderão ter para gerar tecnologias que tornam a nossa vida mais confortável. O caminho que se percorre da ciência fundamental até tecnologia aplicada ao cidadão comum, é um caminho longo mas um dos raros que pode servir de solução em tempos de crise profunda. Mas, o panorama em Portugal mudou, hoje ninguém percebeu se o ministério de fusão que engloba educação e ciência tem alguma estratégia no domínio da política científica para fazer parte de uma hipotética solução que nos tire da crise, como aconteceu no caso finlandês (ver relatório da União Europeia). O silêncio profundo do ministério sobre a ciência, a ausência de um debate para envolver o meio científico na busca de uma estratégia alargada de combate à crise e ao desemprego, e os cortes radicais nos projectos financiados em 2011, transmitem para já a sensação que o Ministério da Ciência foi simplesmente suprimido.

sexta-feira, outubro 07, 2011

quinta-feira, outubro 06, 2011

A angústia do leitor de Bolaño após a página 300

Depois de ler "La carte et le territoire" de Houellebecq, ler "2666" de Bolaño foi como começar a ler as páginas amarelas. Percebi porque é que os editores não respeitaram a vontade póstuma de Bolaño em dividir a obra em pequenas edições espaçadas no tempo. Pessoalmente, se comprasse a primeira não compraria mais nenhuma. A primeira história de 2666, apesar de tudo, a mais interessante até à página 300 (só faltam 700) mergulha-nos numa caça ao tesouro estimulante em busca do escritor Benno von Archimboldi. Mas é a única coisa estimulante, as personagens são autênticas figuras geométricas bidimensionais, sem espessura, triângulos que interceptam os seus vértices e as suas arestas com quadrados e losangos. O vernáculo é despropositado, quiçá mal traduzido (joder e follar significam coisas distintas em castelhano). As passagens sobre sexo são uma merda, ao nível luso. Nesse aspecto, o Chile é farinha da mesma massa, os mesmos complexos, o mesmo marialvismo velado, etc.

Quando li a nota sobre o autor que referia a sua adesão a uma nova geração de autores sul-americanos anti-Garcia Marquez, fiquei entusiasmado. Mas agora não sei se vou aguentar mais 700 páginas de xaropada Roberto Bolaño. Se alguma alma caridosa que já leu 2666 pretender motivar-me para seguir até à última página, use a caixa de comentários.

quarta-feira, outubro 05, 2011

A Taxa Tobin era coisa de radical de esquerda, lembram-se?


Há cerca de 10 anos atrás a Taxa Tobin era uma coisa de radicais de esquerda, de bloquistas, coisas da ATTAC, o próprio Tobin declarou que tinha uma visão da economia diferente de quem defendia a sua taxa.
Agora com a economia europeia e mundial em perigo de implosão, em cima dos joelhos, Barroso não hesita em propor uma espécie de taxa Tobin que cobriria cerca de 85% das transações dos bancos, bolsas e empresas financeiras. Mais vale (muito) tarde do que nunca. Obviamente, que o país europeu (o Reino Unido e a sua City) que mais ganha com a especulação e a economia da ganância é contra a medida.

terça-feira, outubro 04, 2011

Nobel da Física premeia astrofísica

The Nobel Prize in Physics 2011 was awarded "for the discovery of the accelerating expansion of the Universe through observations of distant supernovae" with one half to Saul Perlmutter and the other half jointly to Brian P. Schmidt and Adam G. Riess.


A primeira imagem fornecida pelo novo observatório ALMA (Atacama Large Millimetre/sub-millimetre Array) mostra as galáxias das antenas (NGC 4038 e 4039) situadas a cerca de 70 milhões de anos-luz da Terra. O ALMA foi construído no Chile e é formado por uma rede de telescópios que operam numa gama de comprimentos de onda milimétricos e sub-milimétricos, entre o infravermelho e as micro-ondas.