quarta-feira, julho 30, 2003

Poluição em saldos!

A Eslováquia polui menos do que a sua cota, o Japão polui mais do que devia, vai daí faz-se o negócio. O Japão paga à Eslováquia e já pode poluir à vontade!

Relembro que os acordos de Quioto, por pressão dos EUA, estabelecem que um país poluidor pode poluir mais em troca de ajudas à implementação de tecnologia industrial não poluente nos países que não atingem as suas cotas de poluição.
Esqueçam as tecnologias, o Japão manda yenes e não se fala mais nisso!
É assim o liberalismo. Subsidia-se (eles adoram a palavra subsídio) para se poder poluir à vontade. O futuro do planeta é secundário.
Andam a brincar com o fogo...

segunda-feira, julho 28, 2003

Aquecimento global: essa arma de destruição em massa!

Na edição de hoje do Guardian o presidente do Instituto Britânico de Metereologia, John Houghton, considerou o aquecimento global como uma verdadeira arma de destruição em massa. A maior parte da comunidade científica mundial considera este como o problema mais grave com que se depara a humanidade. O sinal de alarme já foi dado há muito tempo por pessoas como Carl Sagan ou como os maiores especialistas mundiais de modelos climáticos. Infelizmente grande parte da classe política mundial anda distraída com o terrorismo. Apesar de o terrorismo ser um problema importante está muito longe de ser o problema mais importante do planeta.
Andamos a brincar com o fogo!
Na Klepsýdra este será um dos temas prioritários de discussão e que merecerá mais desenvolvimentos.

Notas sobre a História da Astronomia

Durante os dois dias dedicados à História da Astronomia, no âmbito dos XIII Encontros de Astronomia e Astrofísica que estão a decorrer em Coimbra, registei algumas curiosidades:

- Inicialmente o edifício do museu do Prado fazia parte de um plano modernização científica em que estariam também incluídos um Observatório Astronómico e um Jardim Botânico. O Prado ainda funcionou durante algum tempo como gabinete de história natural, só mais tarde seria um edifício fundamentalmente devotado à exposição de obras de arte.

- Na segunda metade do século XIX a carta do reino demorou cerca de 30 a 40 anos a fazer.

- A data de nascimento de Luís de Camões - que ainda não é conhecida - poderá eventualmente estar «escondida» num dos seus sonetos que contem uma referência de carácter astronómico que poderá estar relacionada com o dia em que nasceu.

- A superioridade da Marinha Britânica nos séculos XVII e XVIII é consequência em grande parte de um fortíssimo investimento que o Império Britânico fez na Astronomia. Em Portugal no século XXI este tipo política ainda é considerado por muito boa gente como «subsidiar de malandros que não produzem nada»...

- Parte do filme Branca de Neve de João César Monteiro foi filmado no Observatório Astronómico de Lisboa.

sábado, julho 26, 2003

Coimbra Capital da...Astronomia!

"Coimbra Capital da...Astronomia!" foi uma expressão de um humor mordaz e subtil que ouvi recentemente em Coimbra. As reticências são importantes porque Coimbra Capital da Cultura não tem reticências mas anda cheia de reticências organizativas, programáticas e orçamentais. Por isso talvez os XIII Encontros Nacionais de Astronomia e Astrofísica, que se iniciam hoje, tragam algo mais do que as reticências sobre o limbo cultural em que Coimbra mergulhou em 2003.
Há duas novidades importantes a salientar nestes XIII Encontros. A primeira são as jornadas dedicadas à História da Astronomia onde serão apresentadas comunicações sobre assuntos pouco conhecidos como a Astronomia de "Os Lusíadas". A segunda é que pela primeira vez existem várias comunicações dedicadas à instrumentação para astronomia. Uma boa indicação de que em Portugal começa a fazer-se algum trabalho de cariz mais experimental nesta área.

sexta-feira, julho 25, 2003

O TPI e o anti-americanismo nos países de Leste

Ao contrário da ideia que alguns políticos tentam passar por cá o anti-americanismo nos países do Leste da Europa (a «Nova Europa») existe e é significativo. São manobras como as do passado dia 2 de Julho que fazem com que a desconfiança das populações destes países aumente em relação à real boa vontade dos EUA. Após semanas de pressão de diplomática, no referido dia, o Congresso decidiu cortar a ajuda militar a todos os países de Leste que estão em fase de adesão à NATO : Eslováquia, Estónia, Lituânia, Bulgária, Letónia e Eslovénia.

O motivo da decisão resulta da recusa dos países de Leste, que assinaram os acordos estabelecidos pelo Tribunal Penal Internacional (TPI), de assinarem também um acordo bilateral com os EUA de modo a proteger os cidadãos americanos que eventualmente fossem alvo de acusações desta instituição.

Por exemplo à Eslováquia o Congresso americano decidiu efectuar um corte de 9,95 milhões de dólares pela falta de obediência às disposições americanas. Relembro que a Eslováquia que foi um dos poucos países que enviou forças militares especiais de apoio (técnicos e engenheiros) à recente intervenção americana no Iraque. Os favores dos aliados pagam-se assim…

Estas medidas provocaram reacções de desagrado da classe política. As metodologias dos novos aliados assemelham-se assustadoramente às dos velhos « amigos » soviéticos. Esta é a razão principal pela qual tem havido um crescendo de desconfiança no leste em relação aos EUA. Depois do autoritarismo soviético estes povos encaram com maior reserva pressões vindas da parte de países mais poderosos. O primeiro bombardeamento da Jugoslávia pelos EUA foi a intervenção mais violenta de um país exterior à região nestes países desde a Segunda Guerra Mundial. Por boas ou por más razões esta intervenção foi vista com muita desconfiança nestes países. Depois do 11 de Setembro nos meios de comunicação e na opinião pública surgiram frequentemente versões de objectivos oportunistas da estratégia dos EUA no Afeganistão e no mundo. Como aconteceu em todo o planeta, depois da intervenção no Iraque o anti-americanismo voltou a crescer. Num dos jornais de maior tiragem da Eslováquia, o SME, o artigo sobre da decisão do corte da ajuda americana foi dos mais comentados de sempre (167 comentários), sendo a maior parte destes comentários insultos e expressões de revolta contra os EUA.

Conheço cidadãos Checos e Eslovacos que sofreram bastante com o comunismo, dos tais que eram apelidados de «burgueses». Curiosamente também eles mostram um sentimento anti-americano. Da parte deles recebo dezenas de emails com as gaffes dos noticiários de cadeias americanas de televisão como a CNN onde mapas da Europa mostram os territórios da Rep. Checa, da Eslováquia e da Hungria frequentemente integrados nos territórios Austríaco, Alemão ou até Suíço !



Numa das minhas saídas em Bratislava de máquina fotográfica em riste à caça das marcas do que resta da «arquitectura socialista» deparei com um mural na ponte principal da cidade onde eu lia : NATO = VARSOVIA (ver lado direito da fotografia). Nato igual ao Pacto de Varsóvia, pensei eu. Achei piada e tirei o «passarinho». Afinal não era. Três letras ligeiramente apagadas fintaram-me a lógica da leitura da palavra Varsóvia. Na verdade Varsóvia escreve-se Varšava em eslovaco. Afinal era : NATO = VRAHOVIA. O que em eslovaco significa NATO = assassinos…


Os sentimentos «anti-nação-tal» estão infelizmente demasiadamente presentes na blogosfera portuguesa. Abordarei brevemente exemplos de verdadeiro anti-americanismo primário e de anti-Europeísmo (que na sua versão mais selvagem é anti-francês).

quinta-feira, julho 24, 2003

A Astronomia de «Os Lusíadas»

Ao longo da sua obra, «Os Lusíadas», Luís de Camões faz diversas referências astronómicas. Um vulgar leitor poderia pensar que estas passagens seriam meros exercícios de estética literária ou de conveniências inerentes à métrica da obra. A verdade é que estas referências - como por exemplo o facto de estar Lua Cheia - são exactas e correspondem à posição dos astros vistos no local e no dia em que Vasco da Gama se encontrava durante a sua viagem até à Índia. Aparentemente Luís de Camões estaria muito bem documentado quando escreveu «Os Lusíadas» tendo um perfeito conhecimento das tabelas astronómicas mais precisas da época.
Luciano Pereira da Silva foi quem estudou este assunto com algum rigor numa série de artigos publicados entre 1913 e 1915 na Revista da Universidade de Coimbra.
A partir do próximo Sábado em Coimbra irão decorrer os XIII Encontros de Astronomia e Astrofísica, no âmbito destes encontros existirão também umas jornadas de História de Astronomia onde uma análise aos artigos de Luciano Silva será apresentada por Carlota Simões.

quarta-feira, julho 23, 2003

"Qualquer dia vou ter de ir a Coimbra"

disse-me ela, em jeito de promessa. Eu sorri e não disse nada. Mais tarde veio-me à memória essa frase: "... vou ter de ir a Coimbra". Pensando bem, cada vez menos gente tem de vir a Coimbra. Lá vão passando de Lisboa para o Porto, do Porto para Lisboa, mas raramente param. Uma consulta no médico especialista, uma visita à "Cidade Museu", e é tudo. Por cá vai-se vivendo da tradição, do "só passa quem souber" e do "tem mais encanto na hora da despedida". Esta última encerra uma certa ironia, diga-se.
No entanto, ainda se pode viver com uma alguma qualidade entre o Choupal e a Lapa. Mesmo sem ofertas de emprego, sem um centro cultural, com uma ponte que nunca mais acaba, com um metro de superfície fantasma, quase sem salas de cinema, com um estádio de futebol entalado entre prédios que nascem como cogumelos, de costas voltadas para o Mondego, ainda d? gosto viver aqui.
Mesmo sentindo o peso da tradição, a Universidade ainda é uma instituição respeitada e viva, com centros de investigação e uma qualidade de ensino que são bastante cotados em algumas áreas. É pena a cidade e a região não aproveitarem mais. A abertura parece difícil mas inevitável.
O programa Polis parece finalmente visível. A Capital Nacional da Cultura parece ganhar fôlego, depois de um início pouco promissor. Será que a "velha senhora" está a acordar?...
|

Muita água há-de passar através da Klepsýdra

Vamos falar de acontecimentos e de curiosidades de carácter científico:

- Sempre que possível vamos abordar temas científicos relacionados com sociedade civil (ex : cálculos sobre o rendimento mínimo garantido, o que há de científico no filme «Camarate», etc).
- Vamos fazer a vida negra a astrólogos, numerologistas, cientologistas, raëlianos e outros tipos de charlatões.



Vamos falar do planeta:

- Dos problemas que deveriam ser a preocupação principal de qualquer nação do planeta (e que infelizmente não são): a escassez de água potável e o aquecimento global da Terra.
- Da União Europeia e dos países que em breve se vão juntar ao grupo dos 15.
- Das incongruências dos países desenvolvidos : a NATO e a Turquia, a exploração por parte de empresas ocidentais de trabalhadores na Ásia, o programa ECHELON, o tratamento de lixo radioactivo, etc.
- Dos ódios de estimação contra países ou organizações de países : o anti-americanismo, o anti-sovietismo durante a guerra fria e o anti-europeísmo (que na sua forma mais primitiva é basicamente anti-francês).



Vamos falar de Coimbra e da região das Beiras:

- Acontecimentos culturais, científicos, sociais e políticos.
- Existirá uma secção «Portugal Único» onde vamos denunciar aquelas barbaridades (arquitectónicas, culturais, paisagísticas, etc) que são únicas em Portugal e em particular nas Beiras.

Tudo isto e tudo o mais que a Klepsýdra nos permitir...