terça-feira, agosto 31, 2010

A Lapidação das Moratórias

Desde a decisão de decretar uma moratória à lapidação já foram assassinados à pedrada uma mulher e cinco homens no Irão. Tariq Ramadan foi o grande ideólogo das moratórias (incapaz de se pronunciar claramente contra) à lapidação e à pena de morte. Já lá vão seis mortes e à sétima, dada a sua mediatização, era incontornável e foi obrigado a pronunciar-se. A prosa demorou mas saiu ontem. Misturada com a questão dos ciganos e com as inundações no Paquistão que era para temperar a condenação da lapidação de Sakineh. Ele sabe-a toda... Não vou tão longe quanto Malek Boutih do SOS racismo quando apelidou Ramadan de fascista, nem concordo totalmente com Caroline Fourest quando esta o compara a Le Pen. Mas o comunitarismo é claramente a base do discurso político de Ramadan, é verdade que neste particular não difere muito dos fascistas nem de Le Pen. Apesar de tudo é um engodo mais simpático, mas como o prova o caso do Irão também tem consequências nefastas.

domingo, agosto 29, 2010

Se a Coreia o diz é porque é verdade...

Do ponto de vista formal, a FIFA pouco pode fazer para contestar a veracidade ou não do conteúdo da carta da Federação Coreana sobre o castigo do treinador Kim Jong Hun. Mas quem conhece a história dos partidos comunistas, do comunismo totalitário, sabe que em países bem mais brandos que a actual Coreia do Norte os atletas foram castigados por razões tão nobres como a dor de cotovelo. As sanções recaíram sobre atletas bem mais populares e com carreiras bem mais brilhantes do que a carreira de Kim Jong Hun. Basta lembrar o destino do campioníssimo Emil Zatopek condenado a trabalhar nas minas de urânio da Checoslováquia.
É confrangedora a credulidade e a ingenuidade que demonstram neste caso os que reivindicam representar um comunismo emancipado dos velhos hábitos.

quarta-feira, agosto 25, 2010

Descoberto sistema solar com 7 planetas

Graças ao telescópio de La Silla do ESO (Observatório Europeu do Sul) instalado no Chile foi descoberto um novo sistema solar com sete planetas. A estrela em torno do qual orbitam estes corpos é designada HD 10180 e é do tipo solar. Seis destes planetas têm massas pelo menos 13 vezes superior à massa da Terra. Pensa-se que o sétimo poderá ter uma massa mais à nossa medida, cerca de 1,4 vezes a massa do nosso planeta. Será esse pontinho no céu que abriga o lendário Preste João?

segunda-feira, agosto 16, 2010

Avaria no elevador social

Passagens do artigo "Goodbye, American Dream/The crisis of middle-class America" de Edward Luce para a qual chamo especial atenção dos caros leitores:

"Dubbed “median wage stagnation” by economists, the annual incomes of the bottom 90 per cent of US families have been essentially flat since 1973 – having risen by only 10 per cent in real terms over the past 37 years. That means most Americans have been treading water for more than a generation. Over the same period the incomes of the top 1 per cent have tripled. In 1973, chief executives were on average paid 26 times the median income. Now the ­multiple is above 300.

(...) it is the renowned Harvard economist, Larry Katz, who offers the most compelling analogy. “Think of the American economy as a large apartment block,” says the softly spoken professor. “A century ago – even 30 years ago – it was the object of envy. But in the last generation its character has changed. The penthouses at the top keep getting larger and larger. The apartments in the middle are feeling more and more squeezed and the basement has flooded. To round it off, the elevator is no longer working. That broken elevator is what gets people down the most."

domingo, agosto 15, 2010

Goodbye, American Dream

Intitulado "Goodbye, American Dream" na edição em papel do Financial Times (The crisis of middle-class America na edição electrónica), este artigo do director da secção de Washington, Edward Luce, interpela os seus compatriotas sobre o fim do sonho americano, sobre uma avaria grave no chamado elevador social. A ideia do indivíduo de classe média que é promovido de escalão social através do trabalho árduo e do mérito é cada vez mais uma ideia do passado. Os ricos da América de hoje formam um clube restrito onde é cada vez mais difícil aceder.
É um artigo muito longo, mas extremamente interessante, muito bem ilustrado por exemplos da realidade actual da América e que vale bem a pena ler até ao fim. É curioso constatar uma colagem às teses expostas por Jeremy Rifkin no seu excelente "O Sonho Europeu".

sexta-feira, agosto 13, 2010